Fragmentação nas máquinas virtuais

Uma das grandes novidades à 20 anos atrás relativamente aos dispositivos de armazenamento em massa foi a capacidade de se poder dividir um ficheiro em blocos (cluster) e distribui-lo de forma não contigua sem que isso impedisse a leitura do mesmo. Por exemplo, um único ficheiro correspondente a uma faixa de música poderia ser divido em 100 partes e estar espalhado por 100 localizações físicas diferentes sem que isso impedisse que o sistema operativo conseguisse reproduzir a música.

Este sistema, apesar da vantagem óbvia acima descrita, tem um senão: à medida que vamos espalhados os diferentes blocos, quase de forma aleatória pelo disco, vamos provocar uma sobrecarga nos algoritmos de pesquisa do sistema de ficheiros e do próprio sistema de armazenamento. A esta efeito atribui-se a designação de “fragmentação”.

O Windows traz de base um utilitário capaz de desfragmentar o disco (Defrag). Este utilitário vai movendo os diversos blocos de informação e os realoca-os de forma contígua no disco com o objectivo de diminuir o número de passagens necessárias da cabeça de leitura do disco. Este sistema é no entanto ineficiente no ambiente das máquinas virtuais.

As máquinas virtuais que usamos vão expandindo o disco (.VMDK do caso da VMware e .VHD no cado do Virtual PC) à medida que o vamos populado de informação. Como o disco virtual é representado fisicamente por um único ficheiro, que com o uso, tende em pouco tempo ficar muito fragmentado, provocando lentidão excessiva.

A melhor forma de desfragmentar um ficheiro grande e único é através de um utilitário gratuito na Internet com o nome de “Contig”.

O utilitário “Contig” está disponível para descarregamento em http://technet.microsoft.com/en-us/sysinternals/bb897428.aspx e para usa-lo basta executar (com privilégios de Administrador) a seguinte instrução:

contig.exe -v *.vmdk

ou

contig.exe –v *.vhd

Se quiserem ter uma ideia de como os blocos de informação estão distribuídos no disco rígido pode utilizar o utilitário “DiskView” que se encontra disponível na página http://technet.microsoft.com/en-us/sysinternals/bb896650.aspx

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s