Consultório: Ao aceder uma biblioteca surge a mensagem “Documents.library-ms deixou de funcionar”

Ao tentar aceder a uma biblioteca corrompida é apresentada a seguinte mensagem de erro:

“Documents.library-ms deixou de funcionar” (“Documents.library-ms não está mais funcionando” em Português do Brasil ou “Documents.library-ms is no longer working” em Inglês)

Figura 1 – Mensagem de erro Documents.library-ms num Windows 7

Uma vez que uma biblioteca não é mais do que um apontador para uma ou mais localizações, a solução passa por eliminar as bibliotecas e recriar novamente as mesmas.

Os passos em detalhe são os seguintes:

1 – No explorador do Windows, clicar com o botão direito do rato na biblioteca “Documentos” que se encontra no painel de navegação (lado esquerdo da janela) e escolher a opção de contexto “Eliminar” conforme figura 2

image

Figura 2 – Opção de contexto para eliminar uma biblioteca no Windows 8.1

2 – Repetir o passo anterior para todas as bibliotecas do Windows (tipicamente “Documentos”, “Imagens”, “Músicas”, “Podcasts”, “Vídeos”)

3 – Uma vez eliminadas todas as bibliotecas, clicar com o botão direito do rato em “Bibliotecas” e escolher a opção de contexto “Restaurar bibliotecas predefinidas” conforme figura 3

image

Figura 3 – Opção de contexto no Windows 8.1 para Restaurar bibliotecas predefinidas

4 – Se no painel de navegação não estiverem a ser apresentadas as bibliotecas, deverá aceder ao friso “Ver”, expandir a lista “Painel de navegação” e escolher a opção “Mostrar bibliotecas”

image

Figura 4 – Configurar o painel de navegação para apresentar as bibliotecas

Recursos adicionais:

Artigo técnico “Opening a Library in Windows Explorer gives error that it is no longer working”: http://support.microsoft.com/kb/2895090

Página dedicada à funcionalidade “Bibliotecas”: http://windows.microsoft.com/pt-pt/windows7/products/features/libraries

Arranque Seguro e UEFI

Unifed Extensible Firmware Interface (UEFI) ou em Português, Interface Unificada de Firmware Extensível, é uma especificação desenhada para substituir o subsistema BIOS (Basic Input Output System) que se encontra presente em todos os computadores. A BIOS é uma peça essencial para coisas tão elementares como instalar um sistema operativo quando ainda não existe nenhum SO instalado.
A necessidade de evolução da BIOS nasceu, tal como quase tudo na indústria, de limitações da plataforma anterior, como por exemplo o limite de endereçamento direto de memória, o aspeto gráfico ou questões de atualização. Esta evolução começou a materializar-se no início do século mas foi só a partir do lançamento do Windows 8, quando a Microsoft indexou a obtenção do logotipo de certificação a uma funcionalidade designada de “Arranque Seguro” (ou “Secure Boot” em Inglês) que se começou a falar sobre UEFI.

Neste artigo vou explicar o que é o Arranque Seguro e como é que o mesmo funciona.

image

Imagem 1 – Arquitetura integridade da plataforma Windows 8

Arranque Seguro (Safe Boot)

O Arranque Seguro foi desenvolvido para impedir malware de se infiltrar na máquina antes do próprio sistema operativo iniciar a sequência de arranque. Se um malware for capaz de se carregar antes do sistema operativo arrancar, o mesmo passa a ter a capacidade de contornar e evitar qualquer medida de segurança e ao mesmo tempo tornar-se invisível (recomendo leitura do artigo Rootkits).

O processo de Arranque Seguro segue o princípio das assinaturas onde apenas o software assinado e aprovado pode ser executado. Se uma peça de software, seja ela sistema operativo, ROMs ou firmware, não se encontrar assinada e aprovada a execução da mesma é recusada.

A primeira peça a ser assinada e autorizada é o Gestor de Arranque do Windows que desta forma impede a partir daquele momento a execução de qualquer outro software antes dele que não se encontre devidamente assinado e autorizado.

image

Imagem 2 – Percurso de arranque com a BIOS no modo Legado

image

Imagem 3 – Percurso de Arranque Seguro com via UEFI

Modo de funcionamento

Internamente o UEFI está dividido em três áreas: Uma que contém a lista de signatários e assinaturas das aplicações autorizadas, conhecida por “db”, uma outra área com o oposto, ou seja, com a lista de signatários não confiáveis ou revogados e aplicações não autorizadas, conhecida por “dbx”, e por último uma área que é usada para atualizar a lista de assinaturas autorizadas e revogadas, conhecida por “KEK”.

Depois de o computador ser ligado, as bases de dados de assinaturas são comparadas com a chave de plataforma. Se o firmware não for confiável, o firmware UEFI tem de iniciar o processo de recuperação específico do fabricante para restaurar um firmware confiável. Se houver um problema com o Gestor de Arranque do Windows, o firmware tentará usar uma cópia de segurança do Gestor de Arranque do Windows. Se isto também falhar, o firmware tem de iniciar o processo de remediação específico do fabricante. Após o início da execução do Gestor de Arranque do Windows, se houver um problema com os controladores ou com o núcleo NTOS, é carregado o Ambiente de Recuperação do Windows (Windows RE), para que seja possível recuperar a imagem destes controladores ou do núcleo. Em seguida, o Windows carrega o software antimalware. Finalmente, o Windows carrega os outros controladores do núcleo e inicializa os processos em modo de utilizador.

clip_image001

Imagem 4 – Bases de dados de segurança para os certificados

Aspetos negativos do Arranque Seguro

Uma das questões levantadas por esta implementação está relacionada com o facto de uma vez o Windows 8 instalado na máquina apenas versões futuras do sistema operativo Windows poderão ser instaladas. Se tentar numa máquina com UEFI/Windows 8 instalar um Linux vai verificar que o mesmo não é possível porque o arranque do boot loader do Linux não vai ser autorizado a arrancar.

Da mesma forma que é possível impedir outros boot loaders de arrancarem é possível instrumentar o arranque seguro para por exemplo impedir a instalação do Windows Server numa máquina que tenha sido vendida com o propósito de correr apenas o Windows 8.

Para aumentar o grau de complexidade deste tema podemos ainda adicionar os seguintes factos:

  • Para se poder gerar chaves válidas, o boot loader precisa ser assinado por uma CA de confiança… este processo é simples numa empresa que produza código fechado mas difícil de se conseguir com código aberto como é o caso do Linux.
  • A maior parte dos fabricantes não incluíram nas placas mães a funcionalidade de desligar o Arranque Seguro fazendo com que seja na maior parte dos casos um processo irreversível.

Como determinar se o Windows está arrancar em modo BIOS ou UEFI

Existem diversas técnicas para determinar que modo uma instalação do Windows está a usar para arrancar. Abaixo listo apenas dois desses métodos.

Método #1

1. Executar o comando “msinfo32”

2. Na janela “Informações de sistema” o valor do campo “Modo de BIOS” indica o modo de arranque do Windows

clip_image003

Imagem 6 – Janela Informações de Sistema mostrando que a BIOS se encontra em modo Legado

Método #2

1. Executar o comando “notepad C:\Windows\Panther\setupact.log”

2. No Bloco de Notas pesquisar por “Detected boot environment”

clip_image005

Imagem 7 – Entrada do ficheiro setupact.log mostrando que a BIOS se encontra em modo Legado

Consultório: Após atualizar para o Windows 8.1 aparece a marca de água a dizer que o Secure Boot (Inicialização Segura) não se encontra configurado corretamente

Na maior parte dos casos a forma de ultrapassar esta situação passa por desligar na BIOS o modo legado (legacy mode) da mesma e ativar o Secure Boot. Se a BIOS não apresentar esta opção o primeiro passo a fazer é procurar no sítio do fabricante se existem atualizações de firmware para a BIOS que possam ser aplicadas ao sistema, caso existam, devem aplicar-se, caso contrário pode aplicar-se a correção descrita no artigo “Actualização remove a marca d’água “O Windows 8.1 SecureBoot não está configurado correctamente” no ponto 8.1 do Windows e Windows Server R2 de 2012”.

Em alternativa à aplicação da correção, pode desativar-se o LUA (Limited User Account) no registry, reiniciar o computador, verificar que a marca d’água já não aparece e voltar a ativar o LUA. Para efetuar esta operação deve alterar-se o valor da chave EnableLUA de 1 (ativo) para 0 (desativo) que se encontra em:

HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Windows\CurrentVersion\Policies\System

image

Chave do registo para ativar o LUA

Recursos adicionais:

Artigo sobre Rootkits: https://ojmoura.wordpress.com/2011/06/13/rootkits/

Informação sobre “UEFI Secure Booting”: http://mjg59.dreamwidth.org/5552.html

Artigo da equipa Windows sobre “Protecting the pre-OS environment with UEFI”: http://blogs.msdn.com/b/b8/archive/2011/09/22/protecting-the-pre-os-environment-with-uefi.aspx

Artigo da equipa Windows sobre “Reengineering the Windows boot experience”: http://blogs.msdn.com/b/b8/archive/2011/09/20/reengineering-the-windows-boot-experience.aspx

Página sobre o processo de certificação de hardware Windows: http://msdn.microsoft.com/en-us/windows/hardware/gg463010

Informações sobre UEFI no Wikipedia: http://en.wikipedia.org/wiki/UEFI

Artigo técnico com a correção para remover a marca d’agua SecureBoot: http://support.microsoft.com/kb/2902864/pt-pt

Antivírus no Windows 8 e Windows 8.1

Todas as edições do Windows 8 e do Windows 8.1  trazem de base um antivírus/antimalware: o Windows Defender.

Windows Defender no Windows 8

A última vez que a Microsoft optou pela estratégia de distribuir um antivírus juntamente com o sistema operativo foi no MS-DOS 6.0 com a inclusão do MSAV (Microsoft Anti-Virus) que era uma versão adaptada do CPAV (Central Point Anti-Virus).

No Windows 8.x a Microsoft pegou na solução antivírus/antimalware Microsoft Security Essentials e alterou o nome para Windows Defender.

Esta alteração provocou alguma confusão nos utilizadores finais porque o Windows Defender foi introduzido na altura do Windows Vista/7 e apenas desempenhava o papel de antimalware (tal como cheguei a descrever no artigo “Qual a diferença entre o Microsoft Security Essentials e o Windows Defender?“) e agora no Windows 8.x tem todas as funcionalidades do Microsoft Security Essentials.

Para confundir ainda mais, a Microsoft manteve o Microsoft Security Essentials ativo e disponível para as versões anteriores do Windows, ou seja, para o Windows XP, Windows Vista e Windows 7.

Em termos de funcionalidades o Windows Defender no Windows 8.x tem todas as funcionalidades do Microsoft Security Essentials. Em termos de aspeto gráfico única diferença relevante a apontar é o nome da aplicação :).

Recursos adicionais:

Página oficial do Microsoft Security Essentials:

http://windows.microsoft.com/pt-pt/windows/security-essentials-all-versions

Informação sobre proteção do PC (Windows Defender e Windows SmartScreen):

http://windows.microsoft.com/pt-pt/windows-8/windows-defender#1TC=t1

História do Windows Defender:

http://en.wikipedia.org/wiki/Windows_Defender

Como ativar a opção de hibernação no Windows 8

Por omissão a opção de hibernar não se encontra visível no contexto do botão de energia no Windows 8. Um dos motivos por de trás desta caraterística é motivar o uso dos modos suspensão ou suspensão híbrida em detrimento da hibernação, pois estes dois estados apresentam ganhos significativos de performance no retomar do trabalho.

clip_image001

Imagem com as opções de contexto do botão de energia no Windows 8

 

Neste artigo vou descrever os diversos modos de energia disponíveis no Windows, o seu objetivo e duas formas distintas de dar visibilidade a opção de hibernação.

 

 

O Windows suporta, para além dos estados “Desligado” e “Ligado”, outros 3 estados de energia: Suspensão, Hibernação e Suspensão híbrida.

 

Suspensão

A suspensão é um estado de poupança de energia, que permite que um computador retome rapidamente o funcionamento com o consumo máximo quando recomeça a trabalhar. Colocar o computador em estado de suspensão é como fazer pausa num leitor de DVD; o computador interrompe imediatamente o que está a fazer, e fica pronto a recomeçar quando o utilizador pretender recomeçar a trabalhar.

 

Hibernação

A hibernação é um estado de poupança de energia concebido principalmente para computadores portáteis. Enquanto a suspensão coloca o trabalho e as definições na memória e consome uma pequena quantidade de energia, a hibernação coloca os programas e documentos abertos no disco rígido e, em seguida, desliga o computador. De todos os estados de poupança de energia que o Windows utiliza, a hibernação é o que consome menos energia. Num computador portátil, deve utilizar-se a hibernação quando se sabe que não se vai utilizar o computador portátil durante um período prolongado de tempo e que não se tem a oportunidade de carregar a bateria durante esse período de tempo.

 

Suspensão Híbrida

A Suspensão híbrida foi concebida principalmente para computadores de secretária. A suspensão híbrida é uma combinação de suspensão e hibernação. Ela coloca todos os documentos abertos e programas na memória e no disco rígido e, em seguida, coloca o computador num estado de baixo consumo para poder retomar o trabalho rapidamente. Assim, se ocorrer uma falha de energia, o Windows pode restaurar o trabalho a partir do disco rígido. Quando a suspensão híbrida está ativada, o colocar o computador em suspensão automática coloca automaticamente o computador em suspensão híbrida. Normalmente, a suspensão híbrida está ativada por omissão nos computadores de secretária.

 

 

Como colocar a opção de hibernação disponível para seleção no menu de energia do Windows 8?

Os passos para disponibilizar a opção de hibernação são os seguintes:

  • Pressionar a combinação de teclas [WIN]+W e escrever “Opções de Energia”
  • No ecrã de definições de energia clicar em “Escolher o que fazem os botões de ligar/desligar”

clip_image003

  • No ecrã “Definições do sistema” clicar em “Alterar definições que estão atualmente indisponíveis”

clip_image005

4. Ativar a opção “Hibernar” que se encontra na seção “Definições de encerramento”

clip_image007

5. Clicar em “Guardar alterações”

clip_image009

Agora ao clicar no botão de energia a opção “Hibernar” encontra-se disponível

image

Aspeto das opções de contexto do botão de energia no Windows 8 após ativação da hibernação

Como criar um atalho colocar o computador no estado de hibernação?

É possível criar um atalho que se fixe no ambiente clássico ou no ambiente moderno que despolete o processo de hibernação do computador. Os passos são os seguintes:

  • No ambiente de trabalho clicar com o botão direito do rato e escolher a opção de contexto “Novo” | “Atalho”
  • Na janela “Criar atalho” escrever “Shutdow /h” e clicar em “Seguinte”
  • No campo “Escreva um nome para este atalho” especificar um nome intuitivo como por exemplo “Hibernar” e clicar em “Concluir”

Agora ao efetuar um duplo clique no atalho o computador vai entrar automaticamente no estado de hibernação.

O Sérgio Martinho criou e partilhou um vídeo (http://120segundos.net/videos/v/239) com estes passos no 120 Segundos

 

 

Recursos adicionais:

Perguntas frequentes sobre suspensão e hibernação:

http://windows.microsoft.com/pt-PT/windows7/Sleep-and-hibernation-frequently-asked-questions

Página principal do projeto 120 Segundos:

http://120segundos.net

Como iniciar duas sessões de Skype na mesma máquina

Com o advento do fim do Messenger (aplicação e serviço) e com a Microsoft a querer que o Skype seja a plataforma de mensagens instantâneas por excelência a ser usada pelos utilizadores domésticos e empresariais (para comunicações fora da firewall), torna-se comum que um indivíduo possua mais do que uma identidade no Skype: tipicamente uma conta Skype para os amigos e família e uma outra conta exclusiva a fins profissionais.

Por omissão o Skype só permite identificar-mo-nos com uma conta de cada vez, ou seja, se entrarmos com a conta “profissional” só vemos os contatos agregados a essa conta e se entrarmos com a conta “pessoal” só vemos, como seria de esperar, os contatos pessoais.

Neste artigo vou explicar, passo-a-passo, como é que se pode ter duas instâncias de Skype iniciadas no mesmo computador mas com contas diferentes.

 

Objetivo: Criar um atalho para a aplicação Skype

1 – Clicar com o botão direito do rato no ambiente de trabalho e escolher a opção de contexto “Novo” | “Atalho”

2 – Na janela “Atalho” clicar em “Procurar…”

3 – Na janela “Procurar Ficheiros ou Pastas” indicar a localização do executável Skype.exe (tipicamente o caminho é “C:\Program Files (x86)\Skype\Phone”)

image

4 – Clicar em “Seguinte”

5 – No ecrã “Que nome deseja atribuir ao atalho” escrever “Skype – Profissional”

6 – Clicar em “Concluir”

Neste momento acabamos de criar um atalho para o Skype com o nome “Skype Profissional”

image

 

Objetivo: Criar uma cópia do atalho Skype

1 – Clicar com o botão direito do rato no atalho criado e escolher a opção de contexto “Copiar”

2 – Clicar com o botão direito do rato no ambiente de trabalho e escolher a opção de contexto “Colar”

3 – Clicar com o botão direito do rato no atalho acabado de criar e escolher a opção de contexto “Mudar o nome”

4 – Alterar o texto para “Skype – Pessoal”

image

 

Objetivo: Adicionar o parâmetro “/Secondary” ao atalho do Skype Pessoal

1 – Clicar com o botão direito do rato no atalho “Skype – Pessoal” e escolher a opção de contexto “Propriedades”

2 – Na janela “Propriedade de Skype – Pessoal” adicionar no final do texto que se encontra no campo “Destino” o parâmetro “/Secondary”

image

("C:\Program Files (x86)\Skype\Phone\Skype.exe" /Secondary)

3 – Clicar em “OK” para gravar as alterações

 

Objetivo: Validar as configurações

1 – Efetuar um duplo clique em “Skype – Profissional” e especificar as credenciais da conta profissional

2 – Efetuar um duplo clique em “Skype – Pessoal” e especificar as credenciais da conta pessoal

 

E já está: duas instâncias de Skype com credenciais diferentes!

 

duas instâncias skype

 

Recursos adicionais:

Página oficial do Skype

http://www.skype.com/intl/pt/home

Windows 8 em computadores com resolução de ecrã inferior a 1024×768

Os requisitos de hardware necessários para instalar o Windows 8 são muito idênticos ao do Windows Vista (lançado em 2005). Esta característica faz com que seja perfeitamente possível, e na maioria dos casos benéfico, atualizar o sistema operativo para o Windows 8.

Uma das primeira experiências que fiz, ainda durante a fase beta do Windows 8, foi atualizar um portátil Magalhães (MG2) para o Windows 8. O processo de instalação decorreu sem qualquer problema e notava-se inclusivamente um aumento significativo de performance nos processos de arranque e desligar. A única coisa que correu menos bem foi o facto da placa gráfica não suportar nativamente a resolução 1024×768, o que fez com que não pudesse transferir e usar as aplicações modernas.

O objetivo deste artigo é explicar passo a passo uma das formas possíveis de ultrapassar esta questão.

 

Segundo a página de requisitos do Windows 8 (http://windows.microsoft.com/pt-PT/windows-8/system-requirements) é necessário a placa gráfica suportar uma resolução mínima de 1024×768 para se poder aceder à Loja Windows, transferir e/ou executar aplicações modernas (aka metro apps). Ora o Magalhães, bem como muitos outros netbooks vendidos nos últimos anos em Portugal e no mundo, não suportam nativamente esta resolução, isto faz com que ao aceder a qualquer aplicação moderna seja apresentada a mensagem de erro “This app cannot open the screen resolution is too low for this app to run””.

As gráficas dos portáteis suportam tipicamente dois tipos de saída: a interna (ecrã que está no portátil) e a externa (porta VGA/HDMI/DVI que permite ligar o portátil a um projetor/televisão/ecrã). A resolução suportada pela gráfica para a saída externa não tem de ser igual à suportada para a interna e, em bom rigor, é isto que ocorre na maior parte das vezes, ou seja, a saída externa permite resoluções bem mais elevadas do que a interna. A gráfica do Magalhães não é exceção e por isso apliquei um truque bastante antigo: dizer à gráfica que a saída interna suporta as mesmas resoluções que a externa.

É óbvio que existe uma justificação válida para os portáteis não suportarem resoluções elevadas no ecrã interno: a imagem pode ter de ser distorcida para caber no ecrã. Mas como o objetivo era apenas poder usar aplicações simples, a imagem ficar pequena demais não era entrave.

 

Os passos para realizar esta operação são os seguintes:

  1. Pressionar [WIN]+W e escrever “regedit”
  2. No registry navegar até ao ramo “HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\CurrentControlSet”
  3. Localizar a chave “Display1_DownScalingSupported”
  4. Alterar o valor da chave “Display1_DownScalingSupported” de 0 para 1
  5. Repetir se existirem mais chaves “Display1_DownScalingSupported” com o valor a 0
  6. Reiniciar o computador
  7. Uma vez reiniciado, aceder ao Ambiente de Trabalho, clicar com o botão direito do rato e escolher a opção de contexto “Resolução de ecrã”
  8. Alterar o valor do campo “Resolução” para “1024 x 768”

 

E já está! Para verificar que correu tudo bem clicar no mosaico “Loja”.

Pacotes de idioma de apresentação no Windows 8

Todas as edições do Windows 8 suportam a instalação de “Language Interface Pack” (LIP), ao contrário do que acontecia no Windows 7 onde apenas as edições Enterprise e Ultimate suportavam esta funcionalidade.

O LIP é uma funcionalidade do Windows que permite a abstração do idioma do sistema operativo do idioma de apresentação, ou seja, é possível ter um Windows instalado no idioma Inglês e o texto que ele apresenta ao utilizador estar em Português. Esta funcionalidade é útil para ambientes empresariais onde existe a necessidade de uniformizar a instalação/manutenção do Windows sem “obrigar” os utilizadores trabalhem diáriamente num idioma não nativo, ou no mundo dos testes, onde se pretende validar comportamento de uma determinada aplicação num idioma diferente daquele que se tem instalado sem que para isso seja necessário uma instalação nova do Windows.

É possível ter instalado mais do que um pacote de idioma na mesma máquina.

A título histórico convém relembrar que no passado (versões anteriores ao Windows XP) para se ter um Windows no idioma Português era necessário instalar logo de raiz o sistema operativo nesse idioma. Nas versões XP, Vista e 7 do Windows, o suporte de pacotes de idioma de apresentação estava limitado a algumas edições específicas.

 

 

Como instalar um idioma de apresentação no Windows 8

Os passos para transferir e instalar um pacote de idioma do Windows 8 são os seguintes:

1. Pressionar combinação de teclas [WIN]+W e escreve “language”

clip_image001

 

2. No painel de resultados clicar em Language”

clip_image003

3. No painel “Change your language preferences” clicar em “Add a language”

clip_image005

4. Localizar o idioma que se pretende instalar e clicar em “Add”

5. Agora no painel de idiomas aparece disponível o idioma adicionado. Em alguns casos pode ser necessário clicar em “Options” e para transferir o idioma de apresentação.

 

 

Consultório: Quero instalar o language pack mas aparece a informação “A language pack isn’t available”

 

Recentemente encontrei um computador nesta situação, ou seja, a funcionalidade de adicionar LIPs estava presente mas não me era possível adicionar o pacote de idioma referente ao Português.

clip_image007

 

A forma de contornar que usei pode não ser viável para todos os utilizadores pois requer uma subscrição válida do MSDN ou do TechNet, mesmo assim partilho aqui os passos que efetuei.

1. Aceder à página de downloads do TechNet e transferir o “Windows 8 Language Pack – DVD (Multiple Languages)”

clip_image009

2. Montar o ISSO, ou seja, no Windows 8 e no meu caso, efetuar um duplo clique no ficheiro “mu_windows_8_language_pack_x64_dvd_917544.iso”

3. Aceder à pasta E:\langpacks\pt-pt e copiar o ficheiro “lp.cab” para uma localização qualquer (por exemplo para o Ambiente de Trabalho)

clip_image011

4. A partir da linha de comandos executar o comando “lpksetup”

clip_image013

5. Clicar em “Install display languages”

6. No ecrã de seleção de idiomas clicar em “Browse” e selecionar o ficheiro do idioma

clip_image015

7. Prosseguir com os restantes passos de instalação

clip_image017

8. No final da instalação aceder novamente ao ecrã de idiomas

clip_image019

9. Clicar em “Options” para o idioma “Português (Portugal) ”

10. Na seção “Windows display language” clicar em “Make this the primary language”

clip_image021

11. Terminar a sessão do Windows e já está! A próxima vez que iniciar a sessão já está tudo em Português!

 

 

Recursos adicionais

Artigo sobre os pacotes de idioma no Windows 8: http://support.microsoft.com/kb/2607607/pt?wa=wsignin1.0